Rui Gomes perspectivou esta segunda-feira a deslocação do FC Porto B ao terreno do Benfica B, assumindo que a sua equipa vai querer “agarrar este jogo como mais uma oportunidade para mostrar a sua qualidade”. O jogo referente à 40.ª jornada da Segunda Liga realiza-se quarta-feira, às 16h, no Estádio da Luz. 

Na primeira volta, o FC Porto B entrou muito bem no jogo com o Benfica B. Antevê uma partida com um princípio semelhante a esse encontro ou as mudanças nos plantéis podem ditar algo diferente?
Os plantéis foram mudando, sobretudo o do Benfica, mas o nosso tem-se mantido mais ou menos estanque. Estamos até, devido às lesões, com menos opções do que no início da temporada. Obviamente que o jogo é lançado em bases diferentes. O Benfica está mais confiante porque venceu no último fim-de-semana e tem mantido uma maior regularidade ao longo da época. Nós temos sido mais irregulares: começámos mal, depois tivemos um período muito bom em que recuperámos uma grande desvantagem pontual que tínhamos para as outras equipas B e, ultimamente, não temos conseguido manter essa consistência. No entanto, não há pressão classificativa para ambos, pelo que temos de agarrar este jogo como mais uma oportunidade para mostrar a nossa qualidade e o nosso trabalho. Se conseguirmos um bom resultado, vamos dissipar algumas das tristezas que ultimamente temos tido por não vencermos tão regularmente como gostaríamos. Espero que agarremos este jogo de frente, como mais uma oportunidade, uma das três últimas que vamos ter, e que façamos um bom jogo à semelhança do que realizámos na primeira volta.

Sente que o próximo jogo possa ser uma espécie de antecâmara para o clássico do fim-de-semana, existindo uma espécie de pressão positiva?
Hoje ainda não o sentimos, porque ainda estamos demasiado longe do jogo, mas é provável que isso venha a acontecer, até porque nesta semana vão existir quatro embates entre ambas as equipas, entre equipa A, B, Sub19 e Sub15. Será uma semana de grandes emoções a esse nível e o nosso jogo será o primeiro, portanto é normal que se use esse encontro como uma antecâmara. Isso já aconteceu contra o Sporting, quando as equipas A e B jogaram no mesmo fim-de-semana, e isso não nos responsabiliza nem mais nem menos, já que a nossa responsabilidade já é muita.

Para a semana, além do escalão Sub17, também o andebol e o hóquei vão jogar frente ao Benfica. Serão duas semanas de grandes clássicos. Isso é algo que também passa pela cabeça de treinadores e jogadores?
É inegável que estes jogos são diferentes, marcam muito mais e é por isso que falo neste jogo como uma grande oportunidade para nós. É o melhor momento que temos para mostrar a nossa qualidade e a nossa insatisfação pelos últimos resultados. Não sentimos uma pressão adicional por sermos os primeiros dessa sequência de jogos, mas sim de pressão de querermos ganhar e fazer bem e, no caso de isso acontecer, esperamos que sirva de inspiração para todos os outros clássicos que estão para vir.

Concorda com as críticas de Vítor Pereira relativamente à arbitragem na Liga? De que forma é que o Rui Gomes e os seus jogadores sentem essas críticas?
Em relação ao que se tem passado na Liga e com a equipa A, gostaria de não comentar. No entanto, posso falar naquilo que tem acontecido esta época com o FC Porto B. Não quero exagerar, mas existiram sete ou oito jogos em que fomos prejudicados por decisões de arbitragem decisivas, daquelas que fazem o resultado pender para um lado ou para o outro. Não tenho dúvidas de que muitas dessas decisões foram tomadas involuntariamente, terá sido apenas uma infelicidade o facto de terem sido mais a nosso desfavor do que a nosso favor. Mas também já houve situações em que me custa muito a acreditar que tenha sido apenas uma questão de infelicidade e o jogo com o Leixões foi um exemplo disso: foram demasiados erros a nosso desfavor para serem encarados da minha parte como um dia mau. Se tivéssemos objectivos competitivos e se disputássemos a subida, não tenho dúvidas que isso seria decisivo ao longo da época; como o nosso principal objectivo não é esse, temos de olhar para isto com uma maior moderação, relativizar um pouco e perceber que há outros objectivos muito mais importantes do que esses. Caso contrário, teríamos ao longo da época feito muito mais eco daquilo que foi acontecendo, mas optámos por não o fazer porque os nossos objectivos são outros.

Tem feito alguma gestão motivada por lesões, castigos, jogadores que vêm da equipa A e pelo próprio cansaço. Que FC Porto B se pode esperar no próximo encontro?
Muita da gestão que tem sido feita não é estratégica, tem mesmo a ver com lesões ou castigos, como vai acontecer mais uma vez neste jogo e com os jogadores que vão e vêm da equipa A. No entanto, independentemente disso, vamos querer um FC Porto B que não se vai acobardar perante o adversário e a envolvência, que vai querer jogar, discutir o jogo, ter iniciativa e chegar à baliza e marcar golos.

Comente com o Facebook:

 
Top