Francisco Ramos, um dos capitães da equipa, serviu de guia ao reforço mexicano Omar Govea durante a visita​

A quatro dias do jogo de estreia na Segunda Liga, frente ao Portimonense, no Estádio de Pedroso, o plantel do FC Porto B quebrou a rotina de trabalho com uma visita ao Museu. Ao longo de cerca de 1h30, os jogadores azuis e brancos fizeram uma viagem pela história e pelas vitórias do clube, durante a qual Francisco Ramos, um dos capitães da equipa, desempenhou o papel de guia de algumas caras novas da equipa, como do mexicano Omar Govea.

“É uma boa forma de transmitir a mística aos jogadores, sobretudo aos que chegaram de novo. Há jogadores que vêm de outros países e não têm noção da grandeza do FC Porto. Esta visita é uma oportunidade para se aperceberem da dimensão do clube, para poderem aprender que somos um clube que vive de vitórias e que, ao longo dos anos, fomos conquistando Portugal, a Europa, o Mundo”, afirmou o médio português, em declarações ao www.fcporto.pt e ao Porto Canal.

Francisco Ramos é um dos mais jovens do plantel, mastambém um dos jogadores com mais anos de casa, e não enjeita a responsabilidade de ser um dos portadores da mística. “Sei o que é o FC Porto, todos os dias me transmitem o que é ser FC Porto e agora cabe-me a mim transmitir aos meus colegas novos o que é o Porto”, explica o internacional Sub-20, para quem esta visita serve de “motivação” para o jogo de estreia na Segunda Liga, no próximo domingo.

Francisco Ramos, que já tinha visitado o Museu por duas vezes, não se saiu mal no pape de guia, como confirma Omar Govea: “Já sei um pouco mais sobre a história do clube. Ao segundo dia que aqui estava visitei o Estádio e é espectacular. E agora estou a conhecer o Museu, que é incrível. De facto a história e a grandeza deste clube são magníficas. Não estou encantado, é mais do que isso, estou apaixonado por este clube”, garantiu, deslumbrado, o mexicano, sem esconder a felicidade com “o desafio enorme” que tem pela frente.

Fonte: www.fcporto.pt

Comente com o Facebook:

 
Top